quarta-feira, 26 de fevereiro de 2014



O amor é manifestação da bondade, o calor necessário do sol para a vida, um abraço acolhedor, a chuva dessedentando a terra, a lua e as estrelas iluminando a noite
O amor é todo o firmamento e também o florescer 
O amor é o alimento da alma, o vento soprando a brisa, as arvores dando fruto, a fruta madura, os sonhos de felicidade
O amor é um, são três e esta em todos
O amor é mãe, pai, filho, irmão e amigo
O amor e verdade, beijo, suspiro, sorriso, lagrima, saudade
O amor é carinho, cuidado, gentileza e justiça 
Eu não sei explicar o amor.
RRO.

quarta-feira, 27 de fevereiro de 2013

Em.

As palavras são apenas parte do que se quer expressar, quando entendemos,compreendemos o escrito, quando nos toca, sabemos os sentimentos que alas trazem.  

domingo, 17 de fevereiro de 2013

Relativo






Relativo. 
Enquanto à vida golpeia a alma, a dor flagela a carne,
a morte diz a verdade, o fruto da vida é o pão.
Enquanto o belo maquie-a o mau, a paz provoca guerras,
a natureza é a mãe das feras, e o ódio pai do perdão.
Enquanto o grito corre parado, primeiro se mata a esperança,
inocência ainda é criança, sacrifício sangra no beijo.
Enquanto as marionetes desenham novelas, apostadores julgam novenas,
a liberdade também é uma sentença, estar preso a algo é o mais forte desejo
Se tudo é contido no nada, mais forte então fica o canto,
tem musica, então o tempo dança tudo é só por enquanto.
RUANNITO RAMOS DE OLIVEIRA











quinta-feira, 30 de agosto de 2012


Parado aqui eu vejo, parado aqui espero, então ando atrás de tudo que enquanto parado quero.
Corro, paro e sinto e os vales que eu criei, me perdem nesses caminhos, andar entre eles não sei.
Me falo, me grito e me calo, então paro para encontrar, parado eu vejo e espero a saída para algum lugar.

segunda-feira, 19 de março de 2012

Pingo em fogo.


“As lagrimas mesmo que discretas, 
anunciam silenciosamente as expressões 
mais gritantes da alma...”

sábado, 4 de fevereiro de 2012

Provérbios


Provérbios
O homem tolo dispara setas de cinismo ao vento
esperando atingir o despreparo do não saber
Faz a dádiva das palavras enganadora
construindo uma fortaleza de mentiras
 onde esconde o próprio ser  

                                            Ruannito Ramos de Oliveira

domingo, 6 de novembro de 2011

Efêmero conforto

Efêmero conforto  

Quando chegares ao teu ponto de partida
Que correste em tantos passos,
Lembre-se que na tua despedida
Nem tirasse os pés do chão.
Foi tão longe por engano
Caminhando em tantos cantos
Flores em jardins tão belos
E colheste só ilusão                 
.
Senta!

Ainda tem garrafa meia
E ao lado um copo cheio
Outro menos de meio
Que é bebido lentamente
Esperando o teu regresso
Com papeis em brancos versos
E aos riscos boêmios
Bela criação da gente.

Ruannito Ramos de Oliveira